O que é ser contemporâneo hoje? Ou em defesa de uma psicanálise engajada