Clínica, cuidado e subjetividade: afinal, de que cuidado estamos falando?