Uma utopia com os pés no chão: algumas considerações sobre práticas espaciais transformadoras