Transtornos graves de personalidade: de quem é a responsabilidade?