A temporalidade na argumentação e seu reflexo na fundamentação dos direitos humanos