Solidão e relações afetivas na era da técnica