Sobre a escrita e a leitura: a sedução autorreferencial em Ora Esguardae e A Costa dos Murmúrios