Silenciar a polissemia e invisibilizar os sujeitos: indagações ao discurso sobre a qualidade da educação