resenha a A NOITE ABRE MEUS OLHOS, de José Tolentino Mendonça