Recensão a MONGÓLIA, de Bernardo Carvalho