Quando as políticas curriculares e a pesquisa educacional mandam: reflexões sobre a colonização do trabalho docente