Psicodiagnóstico e Trabalho: uma questão de método