A proclamação nietzschiana do retorno do trágico-dionisíaco