Práticas turísticas: utilização ou apropriação do patrimônio cultural?