Por uma subjetivação onívora: o consumo do imaterial