Por uma narrativa dos gestos: os bebês e a subversão da sacralidade do livro