Poesia de língua portuguesa e identidade plural: dois exercícios antropofágicos