A poesia de Daniel Faria: a claridade da morte