Partituras visuais de temporalidades inconsiliáveis: sonoriade e visualidade em trânsito na obra de Isabel Carneiro