A padronização dos comportamentos: psiquiatrizando a subjetividade de crianças e adolescentes