A objetalização científica como paradoxo na relação entre fala e linguagem