O reflexo nifedipínico: tinhamos razão?