O Olho da letra: E.E. Cummings, o cinema e a máquina de escrever