O argumento do bêbado, do louco e do dormente por Platão, Cícero e Sexto Empírico