A necessária ironia da ficção: algumas considerações sobre o Dom Quixote