Marcas do infantil na adolescência: automutilação como atualização de traumas precoces