Manoel de Barros: o avesso visível