Literatura infanto-juvenil: ler é mais importante que estudar?