A literatura como missão: o controle do ficcional em O Mundo Alucinante, de Reinaldo Arenas