Linguagem: representação ou criação?