Limites da linguagem, limites da psicanálise: A gramática invisível de Raymond Roussel