Língua pura e alíngua: um encontro (im)possível entre Benjamin e Lacan