A invenção do leitor acadêmico: quando a leitura é estudo