As (im)possibilidades de brincar para o escolar com câncer em tratamento ambulatorial