Entre a evidência e o absurdo: sobre o preconceito linguístico