DIREITO PRIVADO. A RUPTURA DO MODELO CLÁSSICO