Da memória ao mais duro presente, como se move a poesia de Luís Quintais