CRIMES CIBERNÉTICOS: O DESCOMPASSO DO ESTADO E A REALIDADE