Comparando dois métodos de distribuição espacial da doença meningocócica na região metropolitana do Rio de Janeiro