Bergson e os paradoxos do tempo, ou como o cinema faz pensar