A adolescência na contemporaneidade: ideal cultural ou sintoma social?